sexta-feira, 5 de maio de 2017

MATRIOSCAS

a gente
nasce estreito

e vai em cada amor
ou desamor

ganhando
largueza

assim a gente aprende
o que consegue abrigar

quinta-feira, 6 de abril de 2017

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

TOQUE DE RECOLHER

um suspiro alheio
e o ar fedia a ódios declarados

vigoravam há meses
as sinistras utopias dos idiotas

o peito cordial
desabrigou a hibridez refugiada

era ensurdecedor
o nosso medo de sair do armário

sábado, 28 de janeiro de 2017

quarta-feira, 15 de junho de 2016

EUDAIMONIA

Enquanto debatemos
Sobre o mundo:

[ pós-capitalista
[ pós-democrático
[ pós-apocalíptico
[ pós-industrial
[ pós-moderno

O megafone anuncia
Que o [carro da felicidade]
Tem ovos novos e graúdos!

segunda-feira, 23 de maio de 2016

UTILE DULCI

Delação premiada
Foi meu último recurso

Ela urgia
Por respostas quentes

E eu só tinha
Palavras de amor!

CACOTÓPICO

Fazia um silêncio
Tsunâmico

Quando o mundinho
Parou de girar

Já não existiam cercas
Que farpeavam desejos

E cada coisa vivida
Enlaivou tanto a memória

Que ter tempo para esquecer
Era o mesmo que não ter

O desfazimento
Era um propósito deletério

E o extraordinário
Não acontecia em dias úteis

A única utopia concreta
Era achar um canto pra envelhecer

E este era um castigo
Irrogado aos insatisfeitos!


quarta-feira, 11 de maio de 2016

MULTITUDINÁRIO

Bate à porta
O fátuo passado

É uma multidão
De coisas irresolutas

Um arrastão
Em pleno domingo de sol


terça-feira, 10 de maio de 2016

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

PERLÍFERA

O que sinto por tu
Não tem refúgio aqui
Nesse eu-presente

Antecede o disparo
E está bem antes do motivo

Subtrai de mim
Qualquer pronúncia
E tudo que penso já é depois

É o mavioso abismo
Que em dias como hoje
Aceita saudade como sinônimo!